January 25, 2018

January 17, 2018

December 29, 2017

December 29, 2017

Please reload

Posts Recentes

     A Unidade Curricular (UC) de Metodologia de Investigação I é parte integrante do conjunto de disciplinas obrigatórias do Mestrado em Ed...

Reflexão pessoal crítica

January 26, 2018

1/2
Please reload

Posts Em Destaque

Redes sociais para cientistas

December 29, 2017

     Num mundo cada vez mais tecnológico torna-se importante que os investigadores possam ser facilmente encontrados online, para mais facilmente promoverem o seu trabalho.

     A manutenção da reputação na Web é uma tarefa que cabe a cada cientista e à organização a que este pertence. Manter reputação na Web, significa antes de mais, controlar a informação pessoal espalhada pela Internet, edificando alguma coerência na sua apresentação. Contudo, o investigador deve preocupar-se primeiramente com a sua reputação na vida real, para então se preocupar com a reputação online (Sanchez, Granado & Antunes, 2014).

     São diversos os objetivos que podem conduzir um investigador ou uma organização científica a cuidar da sua reputação na Web. Sanchez, Granado e Antunes (2014, p. 6) elencam os seguintes:

  1. Ser contactável por qualquer pessoa;

  2. Construir a sua própria identidade;

  3. Organizar a sua informação pessoal;

  4. Evitar confusões ou mal-entendidos;

  5. Aumentar a sua comunidade;

  6. Expandir a sua marca.

 

Os cientistas e as redes sociais

     Atualmente, as redes sociais consistem numa ferramenta de contacto imprescindível dentro da World Wide Web. Relativamente à comunicação da ciência, estas redes são deveras importantes para divulgar a informação proveniente de investigadores e de instituições, proporcionando a sua disseminação a público mais abrangente (Sanchez, Granado & Antunes, 2014). Existem diversas redes sociais que poderão ser utilizadas pelos cientistas, tais como o Facebook, Twitter, Google+, Instagram, YouTube).

Neste sentido, Sanchez, Granado e Antunes (2014), listam as 12 razões para os cientistas usarem as redes sociais, nomeadamente (p. 9):

  1. Ferramenta de aprendizagem;

  2. Ferramenta de ensino;

  3. Ferramenta para conferências;

  4. Ferramenta de partilha de perfis;

  5. Ferramenta de disseminação da investigação;

  6. Ferramenta de colaboração;

  7. Lugar para se manter actualizado sobre a sua área de conhecimento;

  8. Lugar para colocar questões;

  9. Lugar para discussões e partilha;

  10. Lugar para controlar a concorrência;

  11. Lugar para seguir eventos onde não se pode estar;

  12. Lugar para conhecer novas oportunidades.

 

As redes sociais profissionais

     As redes sociais profissionais, isto é, vocacionadas especialmente para a troca de informação profissional, poderá envolver redes sociais genéricas (LinkedIn) como específica (Google Scholar, ResearchGate, Academia.edu) (Sanchez, Granado & Antunes, 2014).

     Estas redes pretendem que os cientistas estejam e contacto com outros cientistas (da sua e de outras áreas), para além de permitirem que se coloca o percurso académico e profissional.

 

Os weblogs

     Os weblogs ou blogs, nasceram nos anos 90 do século passado, e consistem basicamente numa página na Internet onde os textos aparecem pela ordem inversa em que foram escritos, isto é, os mais recentes aparecem em primeiro lugar. Existem blogs pessoas e coletivos, blogs sobre marcas e sobre temas, especializados em vídeos ou em fotografias, de empresas e de universidades, entre outros (Sanchez, Granado & Antunes, 2014).

     Como exemplos de plataformas de weblogs, posso destacar as seguintes: Blogger, Wix, Wordpress (o mais utilizado atualmente) e Webnode.

 

Os weblogs de ciência

     Segundo Zivkovic (2012, citado por Sanchez, Granado & Antunes, 2014), um weblog de ciência, é um blog “escrito por um cientista, por um profissional jornalista ou escritor, que cobre principalmente temas de ciências, [mas é também] um blog usado numa aula de ciência como ferramenta de ensino, um blog para publicar notícias e comunicados de imprensa de sociedades científicas, institutos, centros, universidade, editores, empresas e outras organizações”.

     Geralmente, grande parte dos weblogs de ciência incidem numa destas três categorias: blogs sobre ciência (ou sciences blogs); blogs de investigação (ou research blogs); ou blogs de doutoramento (ou PhD blogs) (Sanchez, Granado & Antunes, 2014).

     No que à educação diz respeito, corriqueiramente chamamos os blogs de blogs de educação (ou education blogs), pois existem muitos que abordam o tema da ciência, uma vez que são utilizados por docentes e discentes, com o intuito de partilharem trabalhos e temas relacionados com as disciplinas científicas que lecionam ou estudam (Sanchez, Granado & Antunes, 2014).

     Desta feita, “estes também podem e devem ser considerados blogs de ciência, pois o seu tema principal são também as actividades científicas, dentro e fora do espaço da aula” (Sanchez, Granado & Antunes, 2014, p. 45).

     Neste sentido, posso fazer referência ao meu Ambiente Pessoal de Aprendizagem (APA), alojado na plataforma WIX, visto que o objetivo principal deste APA foi o de sintetizar todas as informações consideradas relevantes sobre a temática de metodologias de investigação.

 

Referência

Sanchez, A., Granado, A., & Antunes, J. L. (2014). Redes sociais para cientistas. Lisboa: Nova Escola Doutoral – Reitoria da Universidade Nova de Lisboa.

 

Esta publicação deve ser referenciada assim:

Pereira, F. (2017, dezembro 29). Redes sociais para cientistas. [Post em blog]. Disponível em https://fabriciopereiraieul.wixsite.com/omeuapa/single-post/2017/12/29/Redes-sociais-para-cientistas.

Share on Facebook
Please reload